Home / Diversão & Arte / A voz da mão na música dentro da sua cabeça é a do Irmão Carlos

A voz da mão na música dentro da sua cabeça é a do Irmão Carlos

Não existe exagero no título acima. Ele pode soar meio psicodélico com a metáfora da “voz da mão”, mas o fato é que, dentro da música independente (ou alternativa, ou preferencial, como você achar melhor) baiana, o Irmão Carlos é o responsável por um boa e significativa parte do que se tem feito musicalmente por aqui. Sendo mais rápido ainda na informação, do que se tem feito além da música em si. Há algumas faces interessantes nesta pessoa que legitima o importante trabalho que ele exerce na cena local.

thumbnail_foto-de-cristiane-costa-junqueira

Eu ainda não havia trazido aqui para a coluna alguém do cenário que não fosse exclusivamente músico. Existem vários que atuam em diversas frentes, mas da forma como o Irmão Carlos põe na prática as suas ideias, lhe dá um grande e notório diferencial para si e para quem ele consegue alcançar com o seu trabalho. Além de músico, ele é produtor musical, compositor, agitador cultural e idealizador. Sim, essa última característica aparece muito bem aqui de maneira bastante apropriada por que parte dele muitas ideias que aplica em suas ações e que são sem sombra de dúvidas bem-sucedidas e agregam valor a quem se antena direta ou indiretamente às suas investidas culturais.

Antes de adentrar mais nesse assunto, a sua música traz em seu som influências do rock de épocas distintas, do groove da black music e de outras tantas inúmeras referências, como a música eletrônica e o blues, tendo em suas letras elementos do cotidiano, com uma pitada de psicodelismo e nonsense, bem ao modo d’Os Titãs e Arnaldo Antunes. Seus shows, sempre acompanhado da banda O Catado, costumam ser empolgantes e contagiantes, com performances que chamam atenção pelo seu talento, desenvoltura e carisma, e também por ter elementos inusitados (tubo de fiação, por exemplo) em meio aos demais instrumentos tradicionais. Foi com os seus shows que ele deu início ao primeiro evento pensado por ele, o Domingo de Cabeça pra Baixo-Deixe o Faustão Falando Sozinho. Este, como o nome sugere, acontecia periodicamente neste dia da semana, no espaço do bar da sua mãe, Dona Neuza, no bairro do Marback e tinha como uma imagem marcante uma televisão ligada no programa do famoso apresentador, no mudo e de cabeça para baixo. Durou do ano de 2003 a 2015, mas não foi deixado para trás.

Hoje, há o Espaço Cultural Dona Neuza, onde acontecem apresentações e ações como oficinas de fotografia, gravação, mídias sociais e cenografia, todas voltadas para artistas independentes locais. Ambas foram englobadas pelo projeto Incubadora Sonora, capitaneado pelo próprio Irmão Carlos e ministrada por profissionais especializados em cada ramo. Continuamente e em paralelo ao projeto, o artista produz trabalhos das bandas daqui em seu estúdio, Caverna do Som, que também é o local onde ele realizou mais uma das suas investidas, o TV Caverna, na qual vinte e quatro grupos registraram as suas performances ao vivo em vídeo, e que se encontram disponíveis na internet. Mais recentemente, o produtor lançou e produziu uma coletânea com 13 artistas locais, Outro Jeito – Da Bahia Pro Mundo, mostrando um retrato fiel do cenário ativo daqui do estado e teve uma de suas músicas sendo registrada em um videoclipe interativo e inteligente. Em Ascadêradubar, além de assisti-lo em sua montagem original, você pode editá-lo do jeito que quiser durante o decorrer do vídeo. É uma experiência audiovisual divertida e interessante.

Acho que ainda é pouco falar sobre uma mente cultural inquieta e frutífera. Estar sempre pensando de maneira que possa contribuir para o cenário no qual está inserido e tentar dialogar com o máximo de pessoas possível é algo que poucos conseguem e isso é fruto, a propósito, de muitos anos de ação, de fazer acontecer a cada passo. Isso é tão apreciável, que se referir ao Irmão Carlos é se referir também a muita gente que circula com os seus trabalhos por essa Bahia e além dela. Não é à toa que aqui há uma mão que tem uma voz. Certamente, se você não sabia da existência de alguém como ele no cenário local (agora já sabe), pelo menos você foi tocado(a) por ele de alguma maneira antes. Não perca mais tempo, corra para os links abaixo!

Clipe de Ascadêradubar:

http://www.irmaocarlos.com.br/

Performance ao vivo de Armas de Videogame no TV Caverna:

Coletânea Outro Jeito – Da Bahia pro Mundo:

https://soundcloud.com/estudio-caverna-do-som/sets/outro-jeito-da-bahia-pro-mundo

Sobre Leonardo Cima

Author Image
É formado em administração e também colabora no site Portal Soterorock. Ainda mantêm o velho habito do século passado de comprar cd e livro, além de achar bom ir a cada dois meses para a Fonte Nova.

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*