Home / Geral / Intoxicação em Cães e Gatos

Intoxicação em Cães e Gatos

Uma ocorrência muito comum na rotina clínica é a intoxicação. Frequentemente, me deparo com a situação de apreensão do proprietário ao lidar com sintomas agudos de ingestão ou exposição às substâncias tóxicas devido a pouca informação sobre manejo e cuidados gerais que devemos ter ao possuir um animalzinho no nosso convívio diário.

Devido a esses frequentes atendimentos, percebi a importância de inserir na consulta, e principalmente na consulta pediátrica, o passo a passo de como orientar os tutores sobre o que pode causar danos à saúde. Meu mantra durante o atendimento é: ¨Prevenção é sempre a melhor opção. ”

A maioria dos chamados que atendo são causados pela ingestão de plantas tóxicas, produtos químicos, alimentos proibidos ou administração de algum medicamento tóxico ou em dose e/ou frequências erradas.

gatitoÉ frequente o atendimento por intoxicação devido a plantas. Elas são fontes significativas de morbidade e mortalidade em cães e principalmente em gatos, perdendo apenas pelos envenenamentos por pesticidas. Dentre as plantas tóxicas, podemos citar: Lírio, Comigo-ninguém-pode, Flor da Fortuna, Antúrio, Bico de papagaio, Azaleia, Azevinho, Copo de leite, Babosa, Violeta, Dracena, Espirradeira, Hortência, Tulipa, Costela de adão, Coroa de Cristo, Sagu, Evônimo e Lírio- do-Vale. Essas são apenas algumas das que causam muitos efeitos tóxicos, podendo inclusive levar o animal a óbito. Dentre essas plantas que citei, o Lírio, para os felinos, é o mais tóxico, bastando apenas a presença dele no ambiente para causar danos.

Alimentos que não fazem mal a nós, podem fazer muito mal a nossos queridos animais. Por exemplo, o chocolate é um vilão, principalmente na época da páscoa, período onde ocorrem a maior parte dos acidentes por ingestão. O nosso amado doce possui uma substância chamada teobromina, que está presente no cacau. A concentração desse elemento muda conforme a variedade do produto. Segundo a literatura, a dose letal é de 100 a 500 miligramas por quilo. O animal precisaria comer uma quantidade grande para ir a óbito, mas uma ingestão de uma quantidade pequena pode causar intoxicação com manifestações clínicas discretas como vômito ou diarreia. Quando ocorre uma intoxicação grave, o animal pode apresentar sintomas neurológicos, como dificuldade de coordenação motora, excitabilidade e, em casos mais graves, convulsões.

gato plantaDentre as frutas que mais causam problemas, incluem o abacate, que contém uma substância tóxica chamada persina, causando sintomas gastrointestinais em cães, gatos e até mesmo em outros animais. Sementes de maçã e cereja contem cianeto, que pode causar até mesmo uma parada respiratória dependendo da quantidade ingerida. Uvas e uvas passas são extremamente nefrotóxicos (causam lesão renal) para os cães. E a carambola também pode causar lesão renal, por possuir uma toxina que não é filtrada pelo rim, podendo ser muito grave se for ingerida por um animal já nefropata(com deonça renal).

Outros alimentos, incluem cebola e alho. Também não são permitidos, por causarem danos às células vermelhas do sangue, causando anemia.

O Xilitol, muito comum em pastas de dente e produtos dietéticos, pode causar lesão hepática (no fígado).

Medicamentos frequentemente causam problemas, devido a falta de informação. Nunca dê qualquer remédio sem a indicação de um médico veterinário, pois algumas substâncias, como o acetaminofeno, podem causar a morte do seu companheiro.

Produtos de limpeza também são uma constante na intoxicação dos nossos animais, sendo muito comum o chamado para atendimento após a ingestão ou contato com alguma substância. Exemplos: cera, faísca, produtos veterinários para limpeza do chão sem a correta diluição, removedores, limpeza pesada,etc. Lembre-se: os animais estão a poucos centímetros do chão, e deitam sobre ele. Além disso, possuem muitos receptores olfatórios e maior quantidade de papilas gustativas. No caso dos felinos, onde há a lambedura como parte de sua rotina diária, o problema se torna ainda mais grave. Ao fazer esse comportamento natural da espécie, ele estará ingerindo parte do produto que foi aplicado no chão. Já existem estudos comprovando a toxicidade de algumas substâncias normalmente encontradas nesses produtos. Recomendo sempre a limpeza do ambiente e principalmente do chão, com detergente neutro, álcool, água sanitária diluída, lysoforme diluído e produtos veterinários com a correta diluição (com algumas restrições para animais sensíveis/ alérgicos). Consulte sempre seu veterinário de confiança, e leve seu animal a consultas de rotina. O diagnóstico precoce de doenças, inclusive as relacionadas com o envelhecimento, são de extrema importância para prolongar a vida de seu amado animal!

Com esses pequenos cuidados de manejo e prevenção, seu companheiro viverá por muitos e muitos anos ao seu lado!

Um grande beijo e até a próxima.

Sobre Alessandra Corrêa

Author Image
Alessandra Corrêa é Médica Veterinária formada na Universidade Castelo Branco. Atualmente, está finalizando sua pós-graduação em Medicina Felina no instituto Qualittas. Apaixonada pela natureza e os animais, e conhecida por ser defensora do meio ambiente e protetora. Em seu dia-a-dia, sempre ensina as pessoas sobre educação ambiental, pregando respeito ao ecossistema e uma melhor educação. Desmistifica zoonoses, e sonha com um mundo justo e com mais amor e igualdade. Atende também em domicílios. E-mail: alecoelhovet@yahoo.com.br

2 Comentários

  1. Author Image

    Ótimo texto, Dra Alessandra! Muito esclarecedor, não sabia quais plantas fazem mal, agora já vou tomar cuidado.
    Abraços!

  2. Author Image

    Adorei o texto!!!! Adoro flores, plantas, ervas…. quais as plantas poderia ter em casa sem perigo pra minha gatinha!
    Obrigada!!!!!!

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*