Home / Geral / Persistência X Teimosia

Persistência X Teimosia

Você sabe a diferença entre persistência e teimosia?

Muitas vezes confundimos esses dois comportamentos e isso pode gerar algumas dificuldades. Ambos os comportamentos se caracterizam pela repetição. Por permanecer em algo, insistir em uma situação, um pensamento ou um comportamento. Muitas vezes eles acabam se confundindo e discernir esses dois comportamentos nem sempre é uma tarefa fácil.

Continue lendo para entender melhor o assunto. Nesse artigo você vai saber sobre:

  • As diferenças dos significados de persistência e teimosia
  • Teimosia, sua danada!
  • Persistência, seja bem-vinda!
  • Porque temos tanta dificuldade em perceber que estamos sendo teimosos?
  • Quando a teimosia vira desculpa para sabotarmos nossa persistência
  • Autoconhecimento: a base do discernimento

As diferenças dos significados de persistência e teimosia

Então para entender melhor essa diferença vamos ver os significados dessas palavras segundo o Dicionário Online de Português e o Dicionário do Aurélio. Eles nos dizem o seguinte:

Teimar: Insistir, obstinar-se, pretender com insistência, porfiar.

Persistir: em que há insistência, continuar ou prosseguir, permanecer, perseverar, ser firme ou constante em, durar longo tempo.

De acordo com o dicionário essas palavras parecem descrever comportamentos parecidos e as vezes iguais. Na obstinação, permanecia e insistência. Então qual é a diferença?

A diferença está na motivação. No que que motiva a ação de cada comportamento. O que está por trás, o que está em sua mente provocando cada comportamento.

Teimosia, sua danada!

Então vamos começar pela teimosia. A teimosia ocorre quando você deseja muito alguma coisa e tenta de tudo para conseguir. Você tenta uma vez, não consegue. Tenta outra e não consegue. E continua tentando, repetindo, insistindo. Isso por si só não é ruim. E se assemelha a persistência.

O problema é que a teimosia se caracteriza pela insistência excessiva a algo. Uma insistência cega, e muitas vezes a algo que não merece tanta atenção e tanto esforço. A teimosia é o ato de insistir por insistir. Você acaba perdendo o real motivador de lutar por algo, e insistir passa a ser o objetivo. A teimosia tem como motivador permanecer naquele pensamento, comportamento ou situação a qualquer custo. Só para provar para si e/ou para alguém que se é capaz de conseguir aquilo. Perde-se o senso crítico. A análise das circunstâncias se perdem. E a crítica do até que ponto vale a pena continuar insistindo desaparece. A insistência então passa a ser o motivador e torna-se uma birra.

A teimosia geralmente aparece para alimentar a necessidade de se sentir capaz de algo ou para provar algo a alguém, ou a si mesmo. Muitas vezes para provar que sua opinião é a correta e a do outro está errada. É uma satisfação egóica, e nem sempre gera bons frutos. Ela pode te levar a discussões e a brigas. E te tornar uma pessoa com comportamento inflexível e de difícil interação social.

Persistência, seja bem-vinda!

E a persistência? A persistência, como a teimosia, consiste em insistir em algo que você deseja muito alcançar. Você tenta várias vezes até conseguir. Tal qual a teimosia. A diferença que a persistência te deixa mais crítico e mais receptivo a análise das circunstâncias. A persistência faz você aprender com seus erros, modificar estratégias para alcançar o objetivo e não se deixar abater pelos fracassos do caminho. A persistência faz você se perguntar se poderia seguir outros caminhos para atingir o mesmo objetivo.

Enquanto a teimosia se fixa em algo, se apega aquele modelo único de atingir um determinado objetivo, na persistência o que importa é alcançar o objetivo. Mesmo que isso implique em você desistir de um determinado caminho e iniciar outro que te leve ao objetivo. A teimosia consiste em insistir naquele único meio, naquela única forma de se fazer as coisas. O meio transforma-se em objetivo, e é necessário insistir nesse meio a qualquer custo.

A persistência é fluida, é flexível. Ela não se importa em aprender com as derrotas e recomeçar do zero. O seu foco continua sendo aquele objetivo inicial, de conseguir o que tanto deseja. Mas ela cria estratégias diferenciadas, analisa os cenários, e modifica os meios se assim for necessário. Relativiza pensamentos, se abre a novos comportamentos e se propões a experimentar outras circunstâncias.

Porque temos tanta dificuldade em perceber que estamos sendo teimosos?

Bom, dito isso a diferença entre teimosia e persistência ficou evidente. Mas há um outro complicador aí. Você sabe diferenciar quando você está sendo persistente e quando você está sendo teimoso?

É aqui que tudo complica. É aqui que “a porca torce o rabo” como dizem! E nós fazemos essa confusão com mais frequência do que gostaríamos.

E por que isso ocorre? Por que temos tanta dificuldade em perceber quando estamos teimando?

Nós costumamos revestir nossa teimosia de persistência. E isso ocorre por diversos fatores. Um dos fatores é que confundimos se posicionar com a teimosia. Muitas vezes em uma discussão temos a necessidade de provar o nosso ponto de vista a qualquer custo. Mostrar que nós estamos certos e o ponto de vista do outro está errado. Confundimos as diferenças com erros e acertos. É como se aceitar a opinião contrária à sua, fosse concordar com essa opinião. Como se o fato de você aceitar a opinião contrária significasse que a sua opinião fosse a errada e a opinião contrária a certa. E esse é um grande equívoco. Aceitar não é necessariamente concordar. Às vezes, na maioria das vezes, concordar é apenas respeitar.

Todos nós apresentamos o comportamento de teimosia. Principalmente quando o assunto é de extrema importância para nós e sentimos a necessidade de defender nossos valores a ferro e fogo. É como se não teimássemos estaríamos questionando nossos valores. Essa confusão acontece com grande frequência. E todos nós temos um aspecto ou outro que é mais difícil ter clareza dessa confusão. Afinal valores é mesmo algo muito sério.

Outra situação que costumamos confundir persistência com teimosia é quando estamos muito apegados a algo. Seja a uma ideia, a uma circunstância, ou algo material mesmo. Nós gostamos tanto daquilo, que não queremos abrir mão. Então insistimos, teimamos, mesmo que aquilo não seja o melhor para gente. Mesmo que as circunstâncias tenham mudado e deixar aquilo ir seja a melhor decisão. A persistência tem a vantagem de nos mostrar o momento de parar de insistir em algo e tentar outra coisa. Ela se abre para o novo. A teimosia se apega ao antigo. Prende e não deixa o velho ir. Não abre espaço para o novo.

Para ficar mais claro vou dar um exemplo. A maioria das pessoas já se viu em situações que alguma amizade antiga já não cabe mais em sua nova circunstância de vida. Seja porque mudou de cidade, porque escolheu outro curso graduação, porque casou, ou por qualquer outro motivo. Mas muitas vezes custamos a perceber que as coisas mudaram, que o cenário é outro e que as pessoas também mudaram. Mudaram sua forma de pensar e de agir. Assim como você também mudou. Que as prioridades mudaram, a forma de ver o mundo mudou e o objetivo em comum que os unia já não existe mais. Porque a vida é assim! Algumas amizades são para vida toda, mas outras são circunstanciais.

Mas muita gente tem dificuldade de entender que algumas amizades são passageiras, que vem e vão embora. E que outras amizades virão. É um fluxo. E por terem dificuldades de entender a fluidez da vida acabam insistindo. Teimam. Brigam com a vida. Não desapegam do antigo. Não percebem que a coisas mudaram. E então sofrem. Sofrem com o apego, com a dificuldade de analisar o cenário e de aceitar as mudanças.

Percebemos então que saber diferenciar a persistência da teimosia em nossas vidas não é tarefa assim tão fácil. Nós muitas vezes revestimos nossos apegos, nossas dificuldades e nossas teimosias de persistências. E não conseguimos ver com clareza. Acabamos sofrendo sem saber muito o porquê. E assim repetimos comportamentos não assertivos e não nos abrimos ao novo. Recusamos a mudança.

Quando a teimosia vira desculpa para sabotarmos nossa persistência

Outra coisa que acontece é o efeito contrário. Não persistimos, desistimos e damos a desculpa que insistir é teimosia. E muitas vezes paramos de persistir quando deveríamos continuar insistindo.

Isso geralmente ocorre quando estamos trabalhando em um projeto muito importante ou em um sonho. Ficamos com tanto medo de nos frustramos que acabamos desistindo antes. Nosso medo de fracassar em algo tão significativo que faz com que nem tentemos, ou tentemos pouco. E paramos de insistir quando deveríamos permanecer firmes. Não temos persistência e nos autossabotamos com a desculpa de que não devemos ser teimosos.

Persistir requer muito esforço. Muita resistência a frustração e resiliência. É necessário superar os fracassos, estar disposto a recomeçar do zero e testar novas alternativas. Persistir é sair da zona de conforto, é reconhecer seus erros, encarar seus fracassos e rever seus comportamentos e crenças. E isso nunca é simples!

Autoconhecimento: a base do discernimento

Para termos mais clareza de quando estamos teimando e de quando estamos persistindo é necessário um profundo grau de autoconhecimento. E sempre buscar sermos realmente sinceros com nós mesmos. Com nossas fraquezas, nossas dificuldades e nossos sabotadores.

Porém ter essa clareza não acontece de uma hora para outra. Requer esforço. Requer estar disposto a mergulhar em si mesmo e se ver como é. Em suas forças e fraquezas. É estar disposto em se ver em suas imperfeições, encarar seus fantasmas e também aprender que sua força é maior do que você imagina.

Percorrer o processo de autoconhecimento sozinho é muito difícil. Isso ocorre porque enfrentar nossas dificuldades dá medo. Além disso costumamos ser muito críticos com nós mesmos e temos dificuldades de ver nossas qualidades e potencialidades. Mas o principal motivo está no fato que precisamos do outro para vermos nossos pontos cegos. É só na interação com o outro que conseguimos avaliar os nossos comportamentos.

Então se você estiver disposto a mergulhar nessa fascinante jornada do autoconhecimento, eu posso te ajudar. Temos diversos serviços que podem te ajudar nessa viagem para dentro de si. Confira em http://laralemmar.com.br/servicos/

Sobre Raquel Sá

Author Image
(CRP 05/36417) Psicóloga e Coach, atendo com psicoterapia Coaching de forma online. Minha missão é auxiliar as pessoas a concretizarem seus sonhos através de técnicas que potencializem suas capacidades. Orientando no manejo das emoções, na superação de entraves emocionais e consciência dos mecanismos de autossabotagem. É idealizadora e fundadora da Lar Além Mar, que busca ajudar brasileiros expatriados a aprenderem a lidar com suas emoções de forma assertiva.

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*