Home / Diversão & Arte / Amandicas / Relatos Selvagens (Relatos Salvajes, 2014, Argentina)

Relatos Selvagens (Relatos Salvajes, 2014, Argentina)

1Como é de conhecimento geral, sou fã de filmes pipoca, bem blockbuster, maaaaaaaaas estou aprendendo a abrir a cabeça e ver coisas novas. Já sou meio fã do cinema francês, ando meio inclinadinha pra alguns dramas e alguns filmes cults… Mas vamos devagar com as mudanças. Fui convidada para ver Relatos Selvagens… Iêêê… Filme Argentino, primeiro pensamento: Alfajor… Depois dos devaneios “dóceis”, ecaaaaaa, filme argentino é demais… Vi o trailer e achei meio “nheca”, um negócio meio solto, sem nexo, umas histórias meio sem pé e nem cabeça e, de quebra, o nome de Almodovar estava lá, só pra me fazer sair correndo léguas, porque depois de: A Pele que Habito, tenho certeza que Almodovar é D-O-E-N-T-E.

Porém, contudo, entretanto, deu na telha e dei uma chance a Relatos Selvagens. Até a hora da fila estávamos comentando o trailer, uns gostaram, outros nem tanto, e eu meio de birra. Todos acomodados lindamente na sala e eis que começa a película do nada com a história de Gabriel Pasternak e o avião. A história mais curtinha das seis que o filme mostra, mas que te pega pelo pé e te faz ficar boquiaberto quando se percebe toda inteligência do momento e aí você pensa: “que diabos está acontecendo?” e a partir disso nem pisca mais o olho. O início do filme fez cair por terra todo meu preconceito e birra e aproveitei cada história com risadas, tensão, nervosismo, incredulidade e toda uma gama de sentimentos que cada uma delas trás a tona.

Relatos Selvagens é composto por seis historias curtas sobre situações do cotidiano, que normalmente passam despercebidas por todos ou que, por convenções, deixamos pra lá. São momentos que você pensa: “CARAMBA, eu queria poder fazer isso”, “Noooooooooossa porque não pode fazer??”, “Eu faria a mesma coisa”, “AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH”… Assim mesmo, você se pega pensando em tudo que já te aconteceu e tudo que poderia ser feito, mas que não nos é permitido. Todas as seis histórias são fantásticas, mas prestem atenção na primeira: Gabriel Pasternak, a do reboque com Ricardo Darin e a ultima que fecha com chave de ouro o filme: O Casamento, que se não me engano é a mais longa e insana, com atuações perfeitas de todos os envolvidos.

Relatos Selvagens conta situações que testam todos os limites e sem dó e sem medo das consequências, os personagens fazem o que querem para consertar o que está errado. É uma critica ácida, com humor peculiar que vale a pena ver mais de uma vez. O filme é regular e os cortes são bem feitos. Todas as historias são ótimas, não tem essa ou aquela mais fraca, são excelentes em todos os sentidos!!! Tiro meu chapéu (se usasse) e me rendo a esta película Argentina, forte concorrente ao Oscar de melhor filme estrangeiro de 2015. Corram já aos cinemas, porque por se tratar de um filme mais alternativo não deve ficar muito tempo em cartaz. Cooooooooooooooorram agora porque é simplesmente magnífico. Diria mais: Relatos Selvagens é PERFEITO!!

Sobre Amanda Oliveira

Author Image
Cinéfila de plantão, assistente social nas horas vagas. Apaixonada por filmes de ação bem mentirosos, daqueles que desafiam a física... Viciada em livros, séries de TV e chocolate!!!

Um comentário

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*